Aumentar Tamanho do Texto Tamanho do Texto Selecionado
HOME
Clique em um dos links abaixo
DESENVOLVIMENTO DA VISÃO
CONJUNTIVITES
ALERGIAS
TOXOPLASMOSE
RETINOBLASTOMA
DOENÇAS INFECCIOSAS
AMBLIOPIA
CATARATA CONGÊNITA
GLAUCOMA CONGÊNITO
VISÃO SUBNORMAL
MÁ-FORMAÇÕES
LACRIMEJAMENTO
Clique em um dos links abaixo
PRINCIPAIS PROBLEMAS
RETINOPATIA DA PREMATURIDADE
EXAMES OCULARES
CIRURGIAS OCULARES
NOTÍCIAS
ARTIGOS - VOCÊ ESTÁ AQUI
APRESENTAÇÃO A MÉDICA FALE CONOSCO ACESSO
Artigos

Blefarite e Blefaroconjuntivite

17/06/2009 - Blefarite é uma inflamação que acomete as pálpebras e, muitas vezes, envolve a conjuntiva e a córnea. Os olhos ficam inchados, vermelhos e se olharmos bem perto dos cílios podemos notar “caspinhas” sobre os mesmos. Não raro os cílios são escassos e curtinhos. Podem ocorrer coceira intensa ou dor quando as glândulas acessórias da lágrima inflamam e formam uma bolinha, que chamamos de calázio.

No inverno estes processos inflamatórios crônicos ressurgem com mais frequência, associados a estados gripais e outras inflamações comuns dessa época.

A perpetuação dos sintomas tende a influenciar a qualidade da visão da criança, pois quando ela coça surgem microtraumatismos na córnea. Com o tempo, esse desgaste pode evoluir para as ceratites, que nada mais são do que pequenos buracos semelhantes aos que aparecem na nossa pele quando coçamos demais. Quando isso ocorre, passamos de um quadro de blefarite para blefaroconjuntivite com ceratite.
Caso nada seja feito, pode ocorrer o panus neovascular, ou seja, de tão traumatizada a córnea começa a formar uma camada de neovasos na tentativa de reparar o dano. E estas alterações prejudicarão a visão, porque interferem na transparência da córnea e também na curvatura, podendo resultar em graus significativos de astigmatismo.

As bactérias mais comumente envolvidas nestas infecções são Stafilococcus aureus, Propionibacterium acnes e Stafilococcus coagulase negativa. Os vírus também podem ser responsáveis pela inflamação das pálpebras, como o da espécie Muraxella e herpes simples. Ocasionalmente os fungos são os responsáveis(pacientes deprimidos).

A higiene local bem realizada mostra excelentes resultados. Na fase aguda deve ser acompanhada por um tratamento antibiótico e, conforme o caso, até antibiótico oral é prescrito. Mas a limpeza diária dos cílios com água fervida e xampu neutro é imprescindível para o alívio dos sintomas e diminuição das recorrências de quadro agudo. É muito frequente o paciente negligenciar a limpeza quando os sintomas amenizam. Não demora muito e todo o quadro se repete.

Às vezes, a blefarite tem associação com a acne rosácea, sendo comum a existência de mais de um paciente na família. Nesses casos, além do tratamento oftalmológico, é indicado o acompanhamento de um dermatologista.

O importante em casos de blefarite é:

- manter um cuidado com a higiene mais específica das pálpebras ao longo da vida (limpeza);
- fazer exames com frequência para tratar agressões da pálpebra e da córnea adequadamente;
- corrigir erros de refração (grau), porque quando não corrigidos, eles podem causar irritabilidade e sensação de desconforto, que aparentemente alivia quando se esfrega os olhos, formando, assim, um círculo vicioso.
- meninas que apresentam blefarite crônica devem ter mais cuidado com os cosméticos e proceder uma limpeza rigorosa sempre antes de dormir.

Autor: Dra. Lígia Beatriz Bonotto - Oftalmopediatra


Imprimir  














17/06/2009 - Blefarite e Blefaroconjuntivite








O conteúdo deste site tem fins informativos e não pretende
substituir a consulta ou tratamento oftalmológico
Política Copyright Sitemap Sintonia Comunicação