Aumentar Tamanho do Texto Tamanho do Texto Selecionado
HOME
Clique em um dos links abaixo
DESENVOLVIMENTO DA VISÃO
CONJUNTIVITES
ALERGIAS
TOXOPLASMOSE
RETINOBLASTOMA
DOENÇAS INFECCIOSAS
AMBLIOPIA
CATARATA CONGÊNITA
GLAUCOMA CONGÊNITO
VISÃO SUBNORMAL
MÁ-FORMAÇÕES
LACRIMEJAMENTO
Clique em um dos links abaixo
PRINCIPAIS PROBLEMAS
RETINOPATIA DA PREMATURIDADE
EXAMES OCULARES
CIRURGIAS OCULARES
NOTÍCIAS
ARTIGOS - VOCÊ ESTÁ AQUI
APRESENTAÇÃO A MÉDICA FALE CONOSCO ACESSO
Artigos

Volta às aulas e a visão

17/02/2009 - A volta às aulas para os alunos demora, mas para os pais que saíram da maratona de Natal e Ano Novo, parece que é só uma questão de dormir e acordar. Logo no início das férias há a preocupação com os presentes, a ceia, a reunião com família, onde acomodar as crianças nas férias, a colônia de férias etc. Quando as aulas se anunciam, além da matrícula e da compra de materiais escolares, os pais se preocupam em deixar a rotina da saúde em dia, com visitas ao pediatra, ao dentista e ao oftalmologista.

Na idade escolar (em torno dos 7 anos de idade) 7% das crianças têm algum problema oftalmológico (grau, com necessidade de correção), que pode boicotar seu rendimento escolar. Este índice aumenta para 18% na adolescência (em torno dos 14 anos de idade). (1)

A dificuldade visual ocasionada por erro de refração (grau de óculos) pode permanecer para a vida toda se a criança não for corrigida na época que seu sistema nervoso ocular e cerebral tem boa plasticidade (melhor de 0-7 anos). Isso quer dizer que a criança que necessita de correção óptica (óculos) e os usa regularmente vai desenvolver uma ótima acuidade visual, chegando à normalidade.

Assim como afirmam outros colegas da oftalmologia pediátrica (2) a não correção da visão neste momento pode implicar em baixa visão tratável (óculos, lentes de contato, terapia com tampão). Pois temos casos em que, mesmo com todo esforço de tratamento, a visão permanece baixa (catarata congênita, toxoplasmose ocular e outras malformações com o comprometimento da visão).

Triste é saber que a criança poderia ter tratado a dificuldade visual na infância, mas por falta de conhecimento ou acompanhamento regular adequado deixa passar esta época, tão mais fácil de tratar. Recebo muitos e-mail de pessoas acima de 12 anos (20, 30 anos), querendo tratar ainda sua ambliopia. Claro que um exame em tenra idade não vai garantir para a vida toda a não necessidade de correção, mas evita um mal desenvolvimento da capacidade visual e oportuniza o melhor cuidado possível em época adequada.

Por esse motivo uma avaliação anual ou a cada dois anos é interessante, mesmo se a criança não apresenta sintomas. Já se a criança é usuária de correção, esta visita deve ser agendada para cada 6 meses, ou pelo menos, a cada ano.

Autor: Dra Lígia Beatriz Bonotto - Oftalmopediatra

(1) Dr. Kara José N: revista J Zero, Nº 122, novembro- dezembro, 2008.

(2) Volta às aulas - um bom momento para observar a visão das crianças; Andréa Cristina Grubits, médica do Hospital de Olhos de São Pulo, fonte: Porta Voz-Comunicação Estratégica, 03/03/2008.


Imprimir  















17/02/2009 - Volta às aulas e a visão







O conteúdo deste site tem fins informativos e não pretende
substituir a consulta ou tratamento oftalmológico
Política Copyright Sitemap Sintonia Comunicação