Aumentar Tamanho do Texto Tamanho do Texto Selecionado
HOME
Clique em um dos links abaixo
DESENVOLVIMENTO DA VISÃO
CONJUNTIVITES
ALERGIAS
TOXOPLASMOSE
RETINOBLASTOMA
DOENÇAS INFECCIOSAS
AMBLIOPIA
CATARATA CONGÊNITA
GLAUCOMA CONGÊNITO
VISÃO SUBNORMAL
MÁ-FORMAÇÕES
LACRIMEJAMENTO
Clique em um dos links abaixo
PRINCIPAIS PROBLEMAS
RETINOPATIA DA PREMATURIDADE
EXAMES OCULARES
CIRURGIAS OCULARES
NOTÍCIAS
ARTIGOS - VOCÊ ESTÁ AQUI
APRESENTAÇÃO A MÉDICA FALE CONOSCO ACESSO
Artigos

VERÃO E O HERPES SIMPLES OCULAR

12/02/2014 -


O herpes simples é um vírus que pode afetar o ser humano provocando lesões na pele, preferencialmente nos lábios, região nasal, área genital e pálpebras.

Ele permanece no paciente infectado durante a sua vida toda, tornando-se ativo em uma ou várias ocasiões sempre que a imunidade da pessoa estiver baixa. Por isso dizemos que é um vírus “oportunista”.

A razão do herpes simples ser um problema no verão é justamente essa. A exposição ao sol baixa a imunidade, por isso pessoas afetadas devem tomar cuidados redobrados nesta época.

Herpes ocular
Quando o vírus herpético afeta o olho, é grave, porque pode levar à cegueira se o tratamento for retardado, mal conduzido ou negligenciado. É necessário um tratamento imediato e dentro do regime solicitado pelo médico oftalmologista.

Geralmente a pessoa que apresenta lesão herpética no olho já teve o mesmo problema em outra parte do organismo. Neste caso, repetimos: deve-se procurar o tratamento adequado e nem pensar em se automedicar.

O correto é relatar o quanto antes o problema ao médico para evitar o uso de colírios e pomadas com corticoide. O corticoide deve ser somente usado com o rigoroso acompanhamento do médico responsável, que julgará risco e benefício.

Quanto aos sintomas oculares, vão desde a sensação de corpo estranho e sintomas comuns a qualquer conjuntivite até a dor intensa e perda da acuidade visual do olho afetado. Toda conjuntivite unilateral deve levantar esta suspeita e o diagnóstico poderá ser mais rápido e preciso se a pessoa não omitir que já realizou tratamento para conjuntivite herpética em outra época de sua vida.

O histórico de herpes labial ou em outra região do corpo também ajuda o médico a pensar nessa possibilidade frente a um quadro de conjuntivite aguda.

Como evitar a contaminação
Se a pessoa com lesão herpética não tomar cuidados específicos, as feridas e bolhas abertas podem contaminar outras partes de seu próprio organismo, por exemplo, transmitindo o vírus da boca para os olhos, e também passá-lo para outras pessoas.

Na fase de feridas com crostas e bolhas é preciso:
• lavar as mãos com frequência;
• não coçar as feridas;
• separar copos e talheres para evitar a contaminação através de objetos.

Quando cicatrizada a lesão, o contágio não acontece mais.

Hoje já existem exames para identificar o herpes simples, mas os sintomas e sinais clínicos ainda são os melhores aliados para o diagnóstico correto. Deve-se evitar repetir o tratamento anterior e não usar colírios que foram indicados para outro tipo de conjuntivite.

Não é raro o paciente que já apresentou ceratoconjutivite por herpes tentar a medicação por conta própria na esperança de evitar um exame médico, e este é o fato que gerou minha preocupação e a publicação deste artigo no verão.

Época de muita curtição e também de poucos cuidados em geral nos ambientes de praia. Evite exposição prolongada ao sol se já sofreu com lesões herpéticas, use chapéu ou guarda-sol de boa qualidade, e não se automedique.




Imprimir  



12/02/2014 - VERÃO E O HERPES SIMPLES OCULAR



















O conteúdo deste site tem fins informativos e não pretende
substituir a consulta ou tratamento oftalmológico
Política Copyright Sitemap Sintonia Comunicação