Aumentar Tamanho do Texto Tamanho do Texto Selecionado
HOME
Clique em um dos links abaixo
DESENVOLVIMENTO DA VISÃO
CONJUNTIVITES
ALERGIAS
TOXOPLASMOSE
RETINOBLASTOMA
DOENÇAS INFECCIOSAS
AMBLIOPIA
CATARATA CONGÊNITA
GLAUCOMA CONGÊNITO
VISÃO SUBNORMAL
MÁ-FORMAÇÕES
LACRIMEJAMENTO
Clique em um dos links abaixo
PRINCIPAIS PROBLEMAS
RETINOPATIA DA PREMATURIDADE
EXAMES OCULARES
CIRURGIAS OCULARES
NOTÍCIAS
ARTIGOS - VOCÊ ESTÁ AQUI
APRESENTAÇÃO A MÉDICA FALE CONOSCO ACESSO
Artigos

Agende uma consulta nas férias para evitar o baixo desempenho escolar

30/07/2013 - Agende uma consulta nas férias para evitar o baixo desempenho escolar

Numa população calcula-se que 3% das crianças apresentam algum tipo de erro de refração com necessidade de intervenção (tratamento). A deficiência visual não diagnosticada é uma das causas possíveis para o baixo desempenho escolar das crianças. Por deficiência compreendemos desde os problemas oculares como hipermetropia, miopia e astigmatismo, até possíveis estágios de visão subnormal ou mesmo cegueira.

A dificuldade visual corrigível com óculos ou lentes de contato é conhecida como baixa visão tratável e a baixa visão que chamamos visão subnormal é aquela que os meios de tratamento óptico e cirurgias não conseguem normalizar a visão. Hoje a preocupação maior está em tirar as crianças com dificuldade visual por não uso de lentes corretoras do grupo de baixa visão tratável. Este é um problema no Brasil e no mundo que preocupa as autoridades da Organização Mundial da Saúde (OMS).




Exame preventivo pode evitar sofrimento da criança

A vantagem de fazer o exame oftalmológico ao ingressar na vida escolar está na possibilidade de evitar sofrimento por parte da criança em função da dificuldade visual. Quando o problema ocular é percebido logo nos primeiros anos de vida da criança, os pais e professores já estão preparados para atender às necessidades dela. Porém, certas patologias surgem em fases posteriores do desenvolvimento (miopia, por exemplo), e o baixo desempenho escolar é um sintoma da sua ocorrência. Isso mostra que o exame deve ser repetido anualmente (ideal) ou pelo menos ao ingressar na pré-escola, nos primeiros anos do ensino fundamental (1º ou 2º ano) e na adolescência ou início do ensino médio.

Quando não enxerga com precisão, a criança tem dificuldades no processo de aprendizagem. Além de não conseguir ler claramente o que consta em seu caderno, nos livros, no quadro e em outros materiais pedagógicos, a criança pode sofrer com dores de cabeça e lacrimejamento. A criança pode até mesmo apresentar alterações no humor e na autoestima, pelo fato de não conseguir identificar e verbalizar a origem das dificuldades que lhe afligem.

O baixo desempenho escolar em virtude de problemas oculares é facilmente evitado com a realização de consultas preventivas. Portanto é necessário ficar atento aos sintomas em crianças que não usam correção óptica e, naquelas que já estão com a visão corrigida, estes sintomas podem denunciar a necessidade de rever o problema. As crianças que usam correção devem ser avaliadas anualmente. As menores de sete anos de idade o ideal é avaliar, pelo menos, semestralmente.



Férias escolares: ideais para realizar a consulta
As férias são o período ideal para agendar as consultas das crianças e também para solicitar um laudo oftalmológico com a finalidade de entregá-lo à equipe pedagógica da escola no momento da matrícula.

Lembrando que o primeiro exame oftalmológico da vida da criança é o teste do olhinho, que deve ser realizado logo após o nascimento, mas a sua normalidade não é uma garantia de não apresentar mais problemas oculares durante a vida. Ele é fundamental para identificar casos graves de perda de visão como catarata congênita, glaucoma congênito que, se não tratados, podem levar até à cegueira. Mas não é uma garantia de visão normal para o resto da vida.


Em cada fase de nossas vidas temos possíveis problemas oculares
Primeiros anos:
malformações, problemas congênitos, causados por infecções intrauterinas (Toxoplasmose, citomegalovírus). Além de possíveis altos graus com necessidade de óculos já neste período de vida.

Nos anos escolares: os problemas causados por erro refrativos (grau de hipermetropia, miopia e astigmatismo), são os mais comuns. Uma boa dica é observar os parentes e sua história de necessidade de óculos, lentes de contato ou cirurgias refrativas: filho de peixe peixinho é!

No adolescente e adulto jovem: é a miopia que aparece com mais frequência.
No adulto entre 40-50 anos a presbiopia, ou seja, dificuldade de enxergar de perto. Ela acontece também para aqueles que nunca precisaram de óculos e para aqueles que já operaram suas miopias hipermetropias.

Dos 50-100 ou mais anos: catarata, degeneração macular ligada à idade, entre outros.

Esta é a linha do tempo dos olhos e da nossa visão. Exames de acuidade visual realizados em mutirões na escola, igreja ou Dia das Crianças não substituem a necessidade premente de um bom exame oftalmológico com o Oftalmologista.

Conheça seus olhos e sua visão. O normal é enxergar bem e enxergar igual com cada olho.



Imprimir  




30/07/2013 - Agende uma consulta nas férias para evitar o baixo desempenho escolar


















O conteúdo deste site tem fins informativos e não pretende
substituir a consulta ou tratamento oftalmológico
Política Copyright Sitemap Sintonia Comunicação