Aumentar Tamanho do Texto Tamanho do Texto Selecionado
HOME
Clique em um dos links abaixo
DESENVOLVIMENTO DA VISÃO
CONJUNTIVITES
ALERGIAS
TOXOPLASMOSE
RETINOBLASTOMA
DOENÇAS INFECCIOSAS
AMBLIOPIA
CATARATA CONGÊNITA
GLAUCOMA CONGÊNITO
VISÃO SUBNORMAL
MÁ-FORMAÇÕES
LACRIMEJAMENTO
Clique em um dos links abaixo
PRINCIPAIS PROBLEMAS
RETINOPATIA DA PREMATURIDADE
EXAMES OCULARES
CIRURGIAS OCULARES
NOTÍCIAS
ARTIGOS - VOCÊ ESTÁ AQUI
APRESENTAÇÃO A MÉDICA FALE CONOSCO ACESSO
Artigos

Férias, ferinhas e seus olhinhos

15/01/2011 - Nesta época em que normalmente todos estão em férias de verão, diminui o contingente médico nos hospitais e clínicas. Afinal, os médicos também têm suas “ferinhas” para cuidar!



Por esse motivo, os pais precisam tomar alguns cuidados para evitar transtornos próprios da agitação de verão:

• Atentar para a boa procedência dos alimentos e higiene na manipulação.
• Tomar bastante líquido.
• Usar filtro solar próprio para as crianças.
• Usar repelentes para afastar a picada de mosquitos, evitando alergias. A picada, além de ser um incômodo, pode servir como porta de entrada para infecções, inclusive nos olhos.
• Usar chapéu ou boné para prevenir a fotofobia (incômodo causado pela luz intensa nos olhos).
• Crianças podem usar óculos escuros, para se protegerem dos raios nocivos para a retina.
• Atenção com materiais explosivos, cortantes e pontiagudos, pois colocam em risco a integridade das crianças.

Dos cuidados acima, é preciso dar atenção especial para três:

Uso de filtro solar: o produto deve ser bem passado em todo o corpo da criança, inclusive nas pálpebras, de preferência meia hora antes de ir para o sol.

O procedimento deve ser repetido a cada duas horas, mas é importante ficar atento à ardência excessiva, sinais de vermelhidão e outros, típicos de alergia. Nestes casos, procure um dermatologista ou um pediatra.

O fundamental é não ficar sem proteção, pois a radiação solar tem efeito acumulativo e é intensa na região sul do país. Lembrando que os olhos também sofrem com a radiação.

A melhor hora para banho de mar e piscina é das 7h às 10h e após as 16h. Nos intervalos as ferinhas precisam encontrar outra brincadeira na sombra.

A fotofobia é normal: com o uso de chapéu, boné e óculos escuros podemos continuar curtindo o sol intenso do verão, protegidos dos raios nocivos à pele a aos olhos (retina).

Os óculos de sol devem ser de excelente qualidade para qualquer pessoa, mas principalmente para as crianças. Caso as lentes não tenham o tratamento adequado para defender os olhos dos raios ultravioleta os óculos fazem apenas a função estética, e estética nociva. Por quê?

Porque a lente escura sem tratamento deixa a pupila aberta e os olhos ( especificamente a fóvea nas retinas), ficam mais expostos ainda aos raios solares.

As lentes escuras enganam o sistema ocular automático; ele deveria fechar a pupila na presença de muita luz, mas as lentes escuras dão aos olhos a impressão de que o ambiente está escuro. Aí, as pupilas ficam abertas para dar maior possibilidade visual ao sistema ocular, ampliando a área de entrada de luz.

Se as lentes não foram devidamente tratadas, a luz atravessa os meios oculares transparentes e vai incidir na região mais nobre dos olhos. Sérios danos podem advir aos olhos dependendo do tempo de exposição, muitas vezes a longo prazo, por isso sempre observe com cuidado a qualidade dos óculos de sol.

Materiais cortantes, pontiagudos e explosivos: O período de férias é a oportunidade ideal para reformar a casa e mudar a decoração, expondo muito material incomum que mexe com a curiosidade das crianças, mas que podem ser perigosos.

É também um período em que as famílias recebem muitos convidados em casa. Nas refeições, as mesas expõem vistosos talheres que costumam atrair os baixinhos menores de quatro anos enquanto os pais estão divididos dando atenção aos amigos e familiares.

É nestes momentos que os pequenos correm com um garfo na mão, muito felizes é claro, mas sem nenhuma noção do risco!

Por mais modernos e confiantes que os pais possam se considerar, eles não devem dar garfos nem facas para crianças menores de quatro anos, mesmo que um adulto esteja conduzindo a alimentação. Basta um movimento brusco sem coordenação adequada para aquele minuto transformar-se na diferença entre um olho sadio ou não.

Só deixem as crianças utilizarem garfo e faca quando vocês observarem que os movimentos estão coordenados e que elas entendem o risco que correm.

Toda a criança é curiosa e “gruda” na novidade. Foguetes e explosivos bem conduzidos por adultos não causam mal algum, mas se um soldadinho em férias descobre onde estão guardados os explosivos que sobraram das festas, a boa idéia dele pode trazer problemas para toda uma vida.

Portanto, atenção redobrada com o armazenamento de explosivos festivos, bem como para medicamentos e produtos de limpeza.

Normalmente os olhos das crianças estão abaixo do nível do armário, da prateleira e da mesa. Cuidado com materiais quentes, ácidos ou alcalinos, pontiagudos e tóxicos deixados nestas periferias.

A catarata traumática atinge mais meninos que meninas e a idade de maior incidência é entre os dois e quatro anos. Nesta época, eles estão muito espertinhos e rápidos, mas não enxergam o perigo nas coisas, somente o brilho e a beleza deslumbrante da novidade.

Cabe aos adultos da família observarem os possíveis riscos que as ferinhas em férias podem estar correndo e retirar e adequar o material perigoso antes que o acidente previsível aconteça.

Desejamos a todos, felizes férias de verão!

Veja outras dicas.


Imprimir  






15/01/2011 - Férias, ferinhas e seus olhinhos
















O conteúdo deste site tem fins informativos e não pretende
substituir a consulta ou tratamento oftalmológico
Política Copyright Sitemap Sintonia Comunicação